"There's a fear I keep so deep / Knew it name since before I could speak (...) If some night I don't come home / Please don't think I've left you alone"- Keep The Car Running, Arcade Fire

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

De volta para o futuro

É possível, após chegar a conclusão de que o fim era o caminho natural e inevitável, fechar a tampa do caixão, lidar com a ausência, superar e seguir em frente e anos depois, resolver retomar o caminho interrompido? Os mais céticos dirão que não vale a pena, pois os motivos que levaram à primeira queda voltarão a assombrar os indecisos renitentes. Outros, românticos, acreditam que o caminho outrora interrompido, após as agruras do afastamento e as inevitáveis vicissitudes das veredas e bifurcações percorridas pode mostrar-se enfim seguro, pavimento e guarida para seguir em frente.

Em se tratando de relacionamentos amorosos, provavelmente o mais aconselhável seria seguir a primeira recomendação. Mas aqui é outra a circunstância – e bem, bem menos dramática. Após cerca de dois anos e meio de paralisação e na data exata em que se completam cinco anos da primeira postagem do blog, o Talk About The Passion está de volta.

A notícia talvez agrade os antigos leitores que se acostumaram a acompanhar as resenhas dos discos, livros e filmes que movimentam o cotidiano dos dois autores desse espaço, além dos desabafos pessoais e até das erráticas tentativas literárias que vez por outra aparecem por aqui. Certamente continuará merecendo a desconsideração e desmerecimento de outros tantos e servirá de pouso para curiosos extraviados a pesquisar sobre sua banda ou autor favorito.

Ainda que parado no tempo e espaço como depósito de textos, o espírito do TATP continuou vivo no dia-a-dia de conversas entre os amigos e familiares dos rabiscadores do blog e chegou mesmo a se materializar de outras maneiras, como nos eventos culturais que o já saudoso Bossa & Bar produziu, martelando obstinado contra o muro construído de marasmo e má vontade da vida cultural angrense. No entanto, estamos voltando aos textos (e outros formatos em breve, aguardem!).

Li essa semana, no Twitter, alguém comentando que se sentia um Marty McFly criando um blog em 2015. Uma analogia que, de certa forma, pode ser aproveitada por aqui. Afinal, nada mais anacrônico que dois sujeitos em meio aos trinta e tantos que ainda se vestem com camisas de banda; não possuem carro ou casa própria, mas gastam mensalmente quantia mais do que recomendável em CDS e livros; parecem voltar aos quinze ao se emocionar com pérolas de três minutos e meio de power pop ou folk songs e nelas encontram algum sentido para a absurdidade da vida.


Sintam-se à vontade, estamos “vindo” de volta pra casa.


Por Ricardo Pereira

2 comentários:

  1. Muito bom texto!
    Me servirei dessa salada literária,
    Que bom que conheci sua família Rapaz!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Nicolas! Um prazer ter você por aqui.
      Abs

      Excluir